Artigos

« Voltar

O "soft power" da Copa

22 de agosto de 2013

A exposição de um país durante a Copa é uma oportunidade única para o incremento da imagem que queremos oferecer

Todo país que recebe uma Copa tem que encarar três desafios: ter ótimos estádios, construir um legado material em infraestrutura e apresentar a identidade cultural de seu povo. Se conseguir levar a taça, é a consagração.

Enfrentando as mais diversas dificuldades, os estádios no Brasil já estão quase todos prontos.

Eu só fui a um jogo da Copa das Confederações, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Fiquei impressionada não só com a beleza arquitetônica, mas com o novo projeto de arquibancadas: você se sente dentro do gramado, mesmo em lugar distante. Sem falar em escadas rolantes e telões em corredores.

Visitei a arena do Corinthians, o Itaquerão. É fabuloso. A maior novidade será um telão gigante do lado de fora abarcando toda uma lateral do estádio --que não é redondo. Moderníssimo, gramado plantado, mármore preto e branco. A região da zona leste onde ele se encontra está um canteiro de obras.

O impacto na economia local vai ser grande e o legado de infraestrutura para a cidade-sede vai depender do planejamento e recursos de cada prefeito.

Acredito que a exposição de um país durante os dias de uma Copa seja uma oportunidade única para o incremento da imagem que queremos oferecer e para a melhoria do nosso "soft power".

São bilhões de telespectadores acompanhando os jogos, além de programas televisivos antes da Copa que se abrem e exibem o país que a sedia. Em termos de publicidade, seria algo que não teríamos condição ou prioridade para investir. Ter valido a pena o investimento ou não vai depender da nossa capacidade de mostrar um Brasil eficiente e culturalmente diverso.

Com maior ou menor uso, os estádios vão permanecer. Alguns serão usados também para outras atividades. No país do futebol, é muito bom saber que, depois de 63 anos, o Maracanã ficou um estádio moderno.

Poderíamos ter construído hospitais ou mais metrô? Certamente. Mas, não se constrói um país de forma linear, e uma Copa bem conduzida traz ganhos extraordinários, muito maiores do que seu custo.

O Ministério da Cultura fez um trabalho em edital que engloba praticamente todas as linguagens artísticas, com fomentos visando os pequenos e médios produtores.

Esperamos acolher todas as regiões do país e propiciar uma forte circulação das linguagens culturais tão diversas e desconhecidas de uma região para outra.

Além de apresentar para o exterior um país rico em sua diversidade, essa é uma oportunidade para nós nos conhecermos.

Para o edital de gastronomia, artesanato, design, moda e arquitetura, serão escolhidos um projeto por área para mapear essas expressões nas cinco regiões do Brasil. As informações serão disponibilizadas nas cidades-sede, oferecidas à Infraero para os aeroportos e utilizadas em outros projetos do ministério.

A Cultura deixará, além da contribuição para uma identidade cultural mais diversificada do Brasil, um legado material.

Foram escolhidos pelas cidades equipamentos culturais ou museus para receber investimento. Como a Fortaleza dos Reis Magos, em Natal, o Museu da República e seu jardim histórico, no Rio, o Pátio de São Pedro, em Recife, entre outros.

A Petrobras entra com expressivos recursos para um legado em museus não contemplados e que estão num raio de visitação dos turistas da Copa, tal como o Museu Imperial de Petrópolis. Levará também acessibilidade (piso tátil, áudio e videoguias) e materiais em mais de um idioma.

Nossas ações estão em curso. Agora é esperar que nossos craques brilhem e propiciem muita alegria ao povo brasileiro.

MARTA SUPLICY, senadora licenciada (PT-SP), é ministra da Cultura. Foi prefeita de São Paulo (2001-2004) e ministra do Turismo (2007-2008)

 

*Artigo originalmente publicado na Folha de São Paulo - 22/8/2013