« Voltar

Cultura Acessível

Um espetáculo totalmente acessível levou a secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura (SCDC/MinC), Márcia Rollemberg, e alunos de escolas públicas do Distrito Federal ao teatro na tarde desta sexta-feira (10). Eles prestigiaram o espetáculo Um Amigo Diferente? que simboliza a Campanha Teatro Acessível. Arte, Prazer e Direitos.

A campanha pelo teatro acessível é realizada pela ONG Escola de Gente e tem como objetivo  mobilizar governo e sociedade civil para o cumprimento das leis de acessibilidade em toda e qualquer iniciativa cultural. A peça é uma adaptação do livro homônimo da jornalista Claudia Werneck, fundadora da ONG Escola de Gente.

Márcia Rollemberg reafirmou a importância de trabalhar em prol de políticas públicas de acessibilidade no MinC. "Pretendemos compor uma rede de pessoas que já trabalham nesta área para que a gente fortaleça esta pauta no país, insira o tema nos planos municipais e estaduais de Cultura e estabeleça orçamento e a rubrica da Acessibilidade", afirmou.

Os alunos que trocaram a sala de aula pelo teatro gostaram da história de Lucas, o protagonista que era tido como uma pessoa "diferente". A acessibilidade fez toda a diferença para Jessé Cardoso (foto à direita), estudante do CEF 15 de Ceilândia que tem deficiência visual. "Nunca tinha ido a uma peça assim. Vir aqui hoje e ver esta peça foi quase como se fosse realidade, parecia uma história mais real que as outras".

Uma peça divertida e acessível

Antes de entrar na sala de teatro, as crianças recebem um fone de ouvido. Por meio dele, é feita a audiodescrição da peça e assim é possível entender tudo o que acontece em cena, mesmo quando nada é falado. Caretas, gestos, a dança, a música e as roupas dos personagens, por exemplo, são descritos com riqueza de detalhes.

Sobre os assentos, um folder com pontinhos altos. É o programa da peça em braile. Com ela, a criança cega pode ler o que está escrito. Para dar boas-vindas aos espectadores, Claudia Werneck explica às crianças todos os recursos de que o espetáculo dispõe.

Além disso, uma TV no palco mostra tudo o que é falado. Para crianças surdas que não conhecem ou não usam libras. No outro canto do palco, auxiliares se revezam apresentando a peça em libras, linguagem usada pelos deficientes auditivos. Quem não ouve pode acompanhar toda a história.      

Programação para o fim de semana

Neste sábado (11), a partir das 9h, crianças de todas as idades poderão participar da Oficina Teatro Acessível. É no Teatro do Brasil 21 Cultural, com entrada franca.

Veja mais fotos da peça no Flickr do Ministério

Texto: Rosiene Assunção / Ascom MinC
Fotos: Elisabete Alves / Ascom MinC)