« Voltar

Ministério da Cultura estimula a produção independente de cinema

 

 

 

20.03.2018 - 18:30   

Acesso Rápido

 
O Centro Técnico Audiovisual (CTAv), coordenação da Secretaria do Audiovisual (SAv) do Ministério da Cultura (MinC), firmou uma parceria com a Mostra do Filme Livre (MFL) para premiar filmes com serviços e empréstimo de equipamentos. Realizada com Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet), a 17ª edição da mostra reunirá 230 filmes brasileiros que serão apresentados nas cidades do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Brasília, a partir desta quarta (21).
 
O filme vencedor na Sessão Longas Livres será premiado pelo MinC com 20 horas de serviço de mixagem nos estúdios do Centro Técnico Audiovisual. Já os vencedores das Sessões Caminhos e Panoramas poderão fazer o empréstimo da câmera SI-2K, disponibilizada pelo CTAv, por uma semana.
 
De acordo com a Coordenadora-Geral do Centro, Daniela Pfeiffer, a parceria é parte integrante de um dos principais serviços oferecidos pelo CTAv: o apoio a mostras e festivais. "A Mostra do Filme Livre é muito democrática, totalmente gratuita e engloba uma produção independente, de fato. Ou seja, ela dialoga com o mesmo público do Centro Técnico Audiovisual", disse.
 
Para Pfeiffer, o principal objetivo da parceria é mostrar tanto aos participantes da MFL quanto aos realizadores do audiovisual que o CTAv está aberto para a produção independente, inclusive para parcerias com outras mostras. Dentro dessa proposta, o Centro Técnico estimula a criação do realizador independente, uma vez que a premiação é oferecida em serviços para produção de novas obras.

Sobre a MFL

Os filmes selecionados para a Mostra do Filme Livre retratam as mais diversas realidades do nosso País. O evento, que este ano será exibido nas unidades do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) das três cidades escolhidas, é focado na produção alternativa – muitas vezes realizada sem recursos incentivados ou patrocínio.
 
Com três sessões competitivas e 25 sessões não competitivas, a Mostra recebeu a curadoria foi de Guilherme Whitaker, Diego Franco, Scheilla Franca e Gabriel Sanna. Ao todo foram inscritos 1.140 filmes.
 
Além das exibições, a MFL também realiza encontros e debates para tratar de questões fundamentais ao audiovisual independente: estão programados painéis com realizadores, curadores e especialistas da área.
 
Assim como nas edições anteriores, a mostra ainda vai oferecer um curso de formação voltado para o público e para novos realizadores. Com o tema Cinema e Memória: O uso de materiais de arquivo na produção contemporânea, o programa será ministrado pelo pesquisador Hernani Heffner, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. O curso é gratuito e vai debater algumas das implicações da preservação de arquivos audiovisuais relacionando-as ao universo da produção atual feita pelo setor.
 
Serviço
 
Mostra do Filme Livre
 
Centro Cultural Banco do Brasil, entrada franca
 
Rio de Janeiro: 21/3 a 15/4
São Paulo: 22/3 a 16/4
Distrito Federal: 24/4 a 20/5
 
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura