« Voltar

“As possibilidades do quadrinho são infinitas, basta ousadia”

 

 

 

30.01.2018 - 18:50

O cartunista Maurício de Sousa, idealizador da série de histórias em quadrinhos Turma da Mônica, considerado o maior formador de leitores do Brasil (Foto: Divulgação MSP) 
 
Na casa em que cresceu, em Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo, todo mundo contava histórias. O idealizador da série de histórias em quadrinhos Turma da Mônica, Mauricio de Sousa, se desenvolveu cercado de poesia. Do talento aliado à vontade de aprender cada dia mais, nasceu um império conduzido bravamente pela menina mais forte do Bairro do Limoeiro: Mônica, a personagem mais conhecida do cartunista. Às histórias em quadrinhos (HQs), juntaram-se desenhos animados, livros, álbuns de figurinhas, produtos licenciados e até parque de diversão.
 
As revistas de histórias em quadrinhos publicadas por Mauricio de Sousa representam nada menos que 86% das vendas do mercado de HQs brasileiras. O autor já alcançou o extraordinário número de 1 bilhão de revistas publicadas. Não à toa, é considerado o maior formador de leitores do Brasil.
 
No Dia do Quadrinho Nacional, celebrado todo 30 de janeiro, Mauricio de Sousa conta, em entrevista para o MinC, como surgiu a Turma da Mônica e as histórias por trás dos personagens. O cartunista fala sobre o mercado das histórias em quadrinhos no Brasil, a importância das publicações para a cultura brasileira e dá dicas do que não pode faltar em uma boa tirinha.
 
Portal MinC: Que influência a sua família teve em sua trajetória profissional? 
Mauricio de Sousa: Eu nasci no meio da arte, do desenho. Papai era pintor. Eu nasci numa casa cheia de arte, de poesia, de desenhos e de gibis. Eu aprendi a ler nos gibis. Desde os 5, 6 anos, estava lendo gibis e, desde aquele tempo, imaginava que queria fazer a mesma coisa. Queria contar histórias. Venho de uma família que contava muitas histórias, ficava impressionado quando minha mãe e minha avó contavam histórias.
 
Portal MinC: Como foram as primeiras experiências profissionais?
Mauricio de Sousa: Eu cresci treinando desenho, numa cultura muito vasta de quadrinhos americanos. Decalcava desenhos e quando achei que estava na hora, peguei um trem para São Paulo e vim ser desenhista. Não consegui, não estava ainda maduro o suficiente. Pedi para trabalhar então na Folha da Manhã como desenhista, o chefe de desenho gostou do meu trabalho. Disse que era bom e sugeriu que eu fosse fazer outra coisa. Segui o conselho dele e fui fazer reportagem policial. Fiquei na Folha da Manhã durante 5 ou 6 anos, enquanto treinava mais um pouco para quadrinhos. No meio tempo, ilustrava algumas matérias que fazia, e isso não passou desapercebido. Quando fiz minha primeira historinha em quadrinhos, fiz o Bidu e Franjinha e eles publicaram. Pedi demissão da reportagem e publiquei as primeiras tiras do Franjinha.
 
Portal MinC: Quando foi publicada a primeira revista da Mônica?
Mauricio de Sousa: Para fazer concorrência com material americano, vi que precisava de uma equipe auxiliar e comecei a fazer mais tiras. A Abril me convidou para fazer a primeira revista em 1970, aí a coisa desandou. Depois da Mônica, vieram as revistinhas da Magali, do Chico Bento, etc, até chegar em desenhos animados e parques temáticos. Hoje chegamos à internet com a websérie Mônica Toy, que está no mundo inteiro, com sucesso garantido, com bilhões de acessos por mês.
 
Portal MinC: Você imaginou o sucesso que teria?
Mauricio de Sousa: Não, nunca imaginei todo esse sucesso e amplitude. Quando abriram novas plataformas, imaginava que meu material precisava estar lá também. Hoje são 400 funcionários trabalhando aqui. Estamos entrando em outros países: vamos publicar no México, nas editoras americanas e já publicamos no Japão e em países europeus. 
 
Portal MinC: O que uma história em quadrinhos precisa ter para ser boa?
Mauricio de Sousa: Ter um bom trabalho com bons personagens e boas histórias. Você enfrenta uma grande concorrência. As possibilidades do quadrinho são infinitas, basta que a gente tenha ousadia, coragem e certeza de que podemos ter um bom trabalho.
 
Portal MinC: Qual a importância das HQs para a cultura brasileira? 
Mauricio de Sousa: A coisa mais importante, no nosso caso, é a alfabetização. Com milhões e milhões de leitores, temos uma cartilha informal com nossas revistas. Muitas crianças aprendem a ler com 5 ou 6 anos, pelos gibis. Sei pelo meu caso que, depois de algum tempo de leitura de quadrinhos, essa publicação serve de catapulta para te lançar para outros casos, outros livros e leituras.
 
Portal MinC: Como você enxerga o mercado de quadrinhos no Brasil? Que conselhos daria para quem está começando?
Mauricio de Sousa: Hoje, com a internet, é tudo muito mais fácil, você pode mostrar o seu trabalho para mundo, não precisa de uma publicação física. Você joga na nuvem e espalha para o mundo. O sucesso depende do talento, da técnica narrativa que você tem que ter e do foco.
 
Portal MinC: Quais são os seus personagens preferidos da Turma da Mônica?
Mauricio de Sousa: Todos os personagens são meus preferidos, todos são nossos filhos, mas alguns falam mais de você. (No meu caso) é o Horácio, o dinossauro, que é amigo de todo mundo, quer ajudar todo mundo (risos). 
 
Portal MinC: Os personagens são baseados na sua família?
Mauricio de Sousa: A maioria dos personagens que fizeram muito sucesso são baseados na minha família, nos meus filhos. Na verdade, sempre se basearam em alguém que conhecia, nasceram com uma humanidade à flor da pele. Esse é um dos pontos para o sucesso. As pessoas se identificam, todo mundo tem uma Mônica, um Cebolinha, uma Magali ou um Cascão na família.  
 
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura