« Voltar

MinC lança edital inédito de Formação no Audiovisual

 


18.10.2018 - 10:42  

 

O Ministério da Cultura, por meio da Secretaria do Audiovisual (SAv), publicou nesta quinta-feira (18), no Diário Oficial da União (DOU), o primeiro Edital de Formação no Audiovisual já lançado pelo governo federal. Serão disponibilizados R$ 16,1 milhões para realização de projetos de formação e qualificação de recursos humanos nas áreas técnica, artística e gerencial. As inscrições começam no próximo dia 23.

Com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), a chamada pública prevê a realização de cursos divididos por três perfis de formação, são eles: de gestão audiovisual, de criação e técnico e de acessibilidade audiovisual. As empresas interessadas em participar do edital deverão enviar propostas podem conter cursos que se enquadrem em mais de um dos três perfis, desde que o projeto totalize, no mínimo, 96 horas. O Centro Técnico Audiovisual (CTAv) ficará responsável pelo recebimento das propostas, que serão avaliadas por uma comissão em conjunto com a Agência Nacional do Cinema (Ancine).

Para o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, que vem trabalhando para ampliar os investimentos no setor audiovisual, o incentivo à formação faz parte de uma política maior que visa dar condições para que o audiovisual brasileiro se consolide como atividade criativa estratégica. "Este é um setor que gera emprego, renda e desenvolvimento para o país. Estamos trabalhando no fomento aos diferentes elos da cadeia, na ampliação da demanda pelo produto audiovisual brasileiro e buscando formar mão de obra que atenda às necessidades desse novo momento", afirmou.

Por ser um investimento do Fundo Setorial do Audiovisual, todas as propostas devem conter, obrigatoriamente, atividades ou ações com perspectivas de geração de receita como: taxa de matrícula, mensalidade, valor do curso, venda de materiais didáticos, dentre outros.

Cotas e indutores

A exemplo de outros editais lançados este ano no programa AudiovisualGeraFuturo, o edital prevê cotas regionais e indutores específicos que tornam a chamada pública ainda mais acessível. De acordo com as regras, no mínimo 30% dos recursos deverão ser destinados a projetos de empresas sediadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, 20% dos recursos deverão ser destinados a projetos de empresas sediadas na região Sul e nos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Será conferida pontuação diferenciada de 5 pontos, no máximo, para propostas que se associarem a Núcleos de Produção Digital, ao Centro Técnico Audiovisual (CTAv), à realização de projetos de formação nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e à execução de projetos de formação nas regiões Sul e nos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Cursos previstos

Os valores a serem investidos variam de R$ 300 mil a R$ 1,2 milhão e cada proponente poderá apresentar até duas propostas distintas. As empresas interessadas podem enviar no perfil de gestão audiovisual propostas para realização de cursos de gestão empresarial, legislação audiovisual, plano de negócios, distribuição e comercialização, direito autoral, gestão da propriedade intelectual, mercado audiovisual, monetização de jogos eletrônicos, marketing específico para jogos eletrônicos, marketing para conteúdos audiovisuais de forma geral, produção executiva, elaboração de Game Design Document – GDD, realidade virtual e realidade aumentada.

De acordo com a SAv, os cursos do Perfil de Gestão Audiovisual buscam competências de gestão que valorizem a eficiência e eficácia de alcance dos objetivos dos projetos de produção audiovisual no que se referente à gestão orçamentária, planejamento, articulação de parceiros, gestão da produção, inserção no mercado audiovisual, compreensão da legislação base para a criação audiovisual. Os cursos desse perfil deverão ter carga horária mínima de 40 horas.

No perfil de criação e técnico, as propostas podem sugerir programas de ensino sobre roteiros para cinema, TV, jogos eletrônicos ou animação, construção de storyboard, modelagem em 2D/3D para animação e jogos eletrônicos, animação em 2D/3D, cenografia, figurino, maquiagem, animação em Stop Motion, narrativas transmídias, direção, pós-produção, entre outros. Para este perfil, foram previstos mais de 40 tipos distintos do curso.

O edital reservou ainda uma série de cursos na área de acessibilidade audiovisual, como Língua Brasileira de Sinais (Libras), Aplicações e usos da janela de LIBRAS no cinema e na televisão, Audiodescrição audiovisual, Legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE), entre outros. Para os cursos alinhados a este perfil, os alunos precisam ter conhecimento prévio de linguagem audiovisual.

O secretário do Audiovisual, Frederico Mascarenhas, reforça: "A iniciativa tem por finalidade atender à crescente demanda por profissionais gerada pelo desenvolvimento da indústria audiovisual, que tem crescido muito nos últimos anos, fortalecendo e expandindo as ações de formação nas mais diversas modalidades".

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura