Notícias Gerais

Dia da Pintura é comemorado neste sábado (11)

 

11.8.2018 - 9:00  
 
 
A técnica de aplicação de pigmento em condição pastosa, em pó ou líquida sobre superfícies, utilizada dos tempos mais remotos do homem aos dias atuais, comemora, neste sábado (11), o seu dia. E merecidamente. Graças à pintura, mundos em tons, cores e formas variadas ganharam vida ao longo da história em clássicos assinados por grandes nomes como Michelangelo, da Vinci, Renoir, Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti.
 
Surgida em imagens pré-históricas de até 65 mil anos atrás, algumas delas atribuídas a neandertais, a prática da pintura ocupa um lugar permanente no processo criativo humano pelo menos desde as remotas ocupações da Caverna de Altamira, na Espanha. Patrimônio Mundial da Unesco, o local é conhecido como a "Capela Sistina da Arte Rupestre" em função da qualidade e beleza de suas pinturas.
 
Comum entre os antigos egípcios, a pintura também foi uma das principais formas de representação dos povos medievais, do Renascimento e dos séculos seguintes. No Brasil, tem entre seus grandes expoentes desde os pioneiros e anônimos da arte rupestre na Serra da Capivara a autores mais recentes, como Portinari e Siron Franco.

Experimentação

A força da pintura não se limita, no entanto, a sua longevidade. Segundo o diretor do Centro de Artes Visuais da Fundação Nacional de Artes (Funarte), vinculada ao Ministério da Cultura, Xico Chaves, a prática da pintura ao longo da história ocupa um lugar permanente no processo criativo, de reflexão e experimentação junto a outras linguagens que partiram dela e dela se libertaram ou reinterpretaram seus conceitos e formas de expressão.
 
"Se a pintura foi considerada a origem de todas as expressões no campo das artes visuais, os movimentos de ruptura que vieram se sucedendo a partir do final do Séc. XIX e início do séc. XX não conseguiram negá-la completamente para se autoafirmarem novas formas de linguagem", explica Xico. "Desta forma, ela permanece sempre como referência e ponto de partida para novas experimentações, mesmo porque sua negação, ocorrida em diversas passagens, representa sua própria afirmação de permanência", completa.

Programas e editais

Por conta da força e influência da pintura, Xico lembra que, sem exclusão de outras manifestações artísticas, essa modalidade de arte e suas formas de expressão têm lugar assegurado nos programas da Funarte por meio de editais, publicações, eventos e ações da fundação. Isso inclui as novas expressões digitais.
 
Como resultado, os editais e programas da Funarte incorporam as diversas formas de expressão que partem das questões teóricas, estéticas e filosóficas que a pintura traz para a expressão artística atual. Entre elas estão intervenções e interferências urbanas e no meio ambiente, expressões em fotolinguagem, videoinstalações e criações de imagens por meio de ferramentas digitais. Para conhecer os editais do Centro de Artes Visuais da Fundação, dos quais dois permanecem abertos, clique aqui.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura