Dia do Ministro

« Voltar

Ministro defende engajamento da sociedade na ampliação dos investimentos em cultura

 
 
26.4.2018 - 11:51  
Sá Leitão falou da força da economia criativa a empresários na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Foto: Clara Angeleas/Ascom MinC)
 
 
O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, defendeu o envolvimento da sociedade civil e do setor produtivo e empresarial na ampliação dos investimentos na cultura durante café da manhã realizado nesta quinta-feira (26) na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), em Florianópolis. 
 
Para o ministro, o estado de Santa Catarina, que captou R$ 34 milhões por meio da Lei Rouanet, tem um enorme potencial de crescimento dentro da economia criativa. "A iniciativa da Fiesc de fazer o levantamento das empresas do estado que tributam por lucro real e identificar o potencial de recursos a serem investidos em cultura é fundamental para que o setor possa se desenvolver", destacou.
 
Na primeira parte do café da manhã, o ministro assistiu a apresentações sobre o trabalho desenvolvido pela Fiesc para mapear as vocações econômicas do estado e sobre as ações do projeto Fundo Social, que presta uma assessoria para as indústrias ao indicar aonde o aporte pode ser feito, além de sensibilizar empresários para a necessidade de investir em projetos sociais e de cultura. 
 
De acordo Sá Leitão, o esforço empreendido pela Fiesc coincide com o trabalho da atual gestão do Ministério da Cultura. "Fiquei muito feliz ao ver as estratégias adotadas pela federação em programas como o Fundo Social, que esclarece aos empresários como investir em projetos sociais e culturais. Essa é uma ação que não pode ser apenas um ativismo governamental. Deve ser feito pelos agentes econômicos, que são aqueles que vão levar adiante os projetos e os investimentos", disse. 
 
Aos empresários, o ministro ressaltou a importância da cultura para a economia do País. "As atividades culturais e criativas constituem vocações do nosso país e a política cultural precisa ser vista como um fator de desenvolvimento econômico. Há uma série de atividades econômicas que já chegaram ao limite, o que não acontece com a cultura. Estamos muito longe de explorar todo seu potencial", afirmou.
 
Sá Leitão alertou que as atividades culturais e criativas respondem por 2,64% do PIB brasileiro, um percentual maior do que o apresentado pela indústria têxtil, por exemplo. "Além disso, o setor gera mais de 1 milhão de empregos diretos, envolvendo cerca de 200 mil empresas e instituições". O ministro acredita que a economia criativa é uma resposta para a transformação do modelo econômico praticado no Brasil, ainda baseado em commodities. 
 
Projeto de restauração
 
O presidente interino da Fiesc, Michel Miguel, e Mônica Côrrea, representante da Aéropostale, entregaram o ministro Sá Leitão um projeto de restauração do casarão onde funcionou a Compagnie Generale Aéropostale, empresa de correio aéreo na qual trabalhou o piloto e escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, autor de O Pequeno Príncipe, no bairro do Campeche, em Florianópolis. 
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura