Dia do Ministro

« Voltar

Sá Leitão discute alternativas para recuperar Teatro São Cristóvão, em Belém

 
 
26.4.2018 - 9:53  
Ministro Sérgio Sá Leitão, deputado Arnaldo Jordy e Sérgio Mello discutiram formas de recuperar o Teatro São Cristóvão, em Belém (Foto: Ronaldo Caldas/Ascom MinC)
 
 
O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, discutiu na noite desta quarta-feira (25) estratégias para garantir a recuperação e a revitalização do teatro São Cristóvão, em Belém. Em reunião com o deputado federal Arnaldo Jordy (PPS-PA) e com o diretor do Museu do Estado do Pará, Sérgio Mello (que representou a Secretaria de Cultura do Estado), o ministro traçou as possibilidades para resgatar o teatro. Em um cenário atual de restrições orçamentárias, a principal hipótese para viabilizar o projeto envolve os incentivos fiscais garantidos pela Lei Rouanet para empresas que investirem em projetos culturais. "Onde temos margem é na Lei Rouanet", disse o ministro.
 
Sá Leitão propôs que seja promovida uma reunião com líderes empresariais paraenses no dia 22 de junho, quando o Circuito #CulturaGeraFuturo chegará a Belém. Esse circuito – que passará por todas as capitais brasileiras até o final de julho – vai capacitar produtores culturais e gestores públicos sobre a utilização dos mecanismos de fomento à cultura disponibilizados pelo governo federal. Pela Lei Rouanet, empresas e pessoas físicas podem destinar parte do imposto de renda devido diretamente a projetos culturais.
 
O deputado Arnaldo Jordy explicou que o projeto de reconstrução do Teatro São Cristóvão envolve investimento de quase R$ 12 milhões e disse que o governo do estado deve participar com metade do valor necessário. Sá Leitão propôs que a principal alternativa é realizar uma "grande mobilização" para realizar o projeto, com a adesão dos empresários locais.
 
O ministro destacou que emendas parlamentares direcionadas diretamente ao resgate do Teatro São Cristóvão reforçariam de forma direta o orçamento federal para a recuperação do espaço. Sá Leitão lembrou, ainda, que a Agência Nacional do Cinema (Ancine) pode ajudar em uma parte do projeto: a construção de uma sala de cinema dentro do complexo de um novo Teatro São Cristóvão.
 
O Teatro São Cristóvão era referência na apresentação de grupos dos pássaros juninos (representação cultural tipicamente paraense, que mescla teatro, música, dança e literatura) nas décadas de 1950 a 1970, mas atualmente está em ruínas. O diretor do Museu do Estado do Pará, Sérgio Mello, argumentou que a revitalização da área do Teatro São Cristóvão ajudará a resgatar, também, o movimento dos pássaros juninos. 
 
O movimento dos "Pássaros Juninos" – considerado uma "ópera cabocla" - foi reconhecido como patrimônio cultural de natureza imaterial pelo estado do Pará em 2009. A narrativa do espetáculo gira em torno da caçada, morte e ressurreição de um pássaro, que é o personagem central. A essa estrutura base somam-se outros personagens, como fazendeiros, matutos, índios e nobres. O bem sempre vence o mal. Os grupos são batizados com nomes de aves: Tucano, Rouxinol, Tangará, Uirapuru, Beija-Flor, Tem-Tem.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura