« Voltar

Calero destaca potencial do audiovisual brasileiro

30.6.2016 - 10:12  
Em pronunciamento no Congresso da ABTA, Calero afirmou que as empresas do setor audiovisual já contribuem com 0,5% do PIB brasileiro (Foto: Janine Moraes/Ascom MinC)
 
 
O ministro da Cultura, Marcelo Calero, destacou a importância e o potencial do setor de audiovisual e mídias digitais para a economia do Brasil, na abertura da 24ª edição da Feira e Congresso da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), realizada nessa quarta-feira (29), em São Paulo. 
 
Em seu pronunciamento, Marcelo Calero afirmou que as empresas do setor audiovisual já contribuem com 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e a expectativa é que percentual continue crescendo nos próximos anos. Calero garantiu que, em sua gestão, o Ministério da Cultura (MinC) irá atuar como parceiro do setor, priorizando sempre o interesse público. "Precisamos pensar em formas de estimular e fomentar o setor do audiovisual, sem perder de vista as necessidades do consumidor, que é quem, no fim, sustenta toda essa cadeia produtiva".
 
De acordo com o ministro, a relação entre os promotores das políticas públicas e os responsáveis por movimentar a produção audiovisual ainda apresenta muitos desafios. "A construção de uma política específica para o setor passa pela definição de um marco regulatório semelhante à Lei do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC - Lei nº 12.485/2011), que serviu para unificar a regulamentação dos serviços de televisão por assinatura", defendeu.
 
Calero destacou que o marco regulatório da televisão por assinatura trouxe novos incentivos para a produção e a circulação de conteúdos audiovisuais feitos no Brasil. "Essa Lei consegue valorizar a cultura brasileira, pois estimula a produção audiovisual nacional e independente, por meio das cotas nos canais".
 
Outro ponto ressaltado pelo ministro durante a abertura da Feira foi a contribuição das produções de cinema, televisão e, mais recentemente, mídias digitais na construção da identidade do povo brasileiro. Em sua avaliação, assim como outras artes, o audiovisual elabora narrativas que passam a compor o imaginário afetivo das pessoas. Há, segundo o ministro, um aprendizado a ser avaliado não somente pelo aspecto educativo, mas, sobretudo, emocional e humano. 
 
"O impacto dos produtos audiovisuais nas nossas vidas é muito maior e muito mais importante do que podemos imaginar. O produto audiovisual produzido por diretores, atores e técnicos brasileiros nos faz sentir mais brasileiros, mais pertencentes a essa nação chamada Brasil. A pluralidade de sotaques e cenários precisa estar refletida nas telas", enfatizou. 
 
Cinemateca Brasileira  
Ministro Marcelo Calero visita instalações da Cinemateca Brasileira, em São Paulo (Foto: Janine Moraes/Ascom MinC)
 


Como parte da agenda de compromissos em São Paulo, o ministro Calero, acompanhado do secretário do Audiovisual do MinC, Alfredo Bertini, também visitou as instalações da Fundação Cinemateca Brasileira. Na ocasião, o ministro participou ainda, na parte da manhã, de uma reunião com os conselheiros e diretores da instituição, que é vinculada ao Ministério da Cultura. Durante o encontro, foram debatidos assuntos que, segundo integrantes da instituição, precisam ser avaliados pelo ministério nos próximos meses. 

Para o secretário do Audiovisual, a visita representou uma grande oportunidade para que a atual gestão do ministério pudesse conhecer um pouco mais da realidade atual da Cinemateca. "Este é um projeto de vital importância para o cinema brasileiro. A presença da nova gestão do MinC na sede da Cinemateca é uma demonstração do respeito que temos pelo trabalho que é feito por esta instituição", afirmou.
 
Bertini esclareceu que o MinC deverá contribuir para que a Cinemateca supere as dificuldades enfrentadas por algumas crises de gestão e pelo incêndio ocorrido no último dia 3 de fevereiro, que foi responsável pela destruição de cerca de mil rolos de filmes, correspondente a 0,4% de seu acervo cinematográfico. 
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura