Evento no MinC celebra Dia do Bibliotecário

 
 
16.3.2017 - 10:20  
Inclusão social foi destaque em comemoração no auditório do Edifício Sede (Foto: Edson Leal/Ascom MinC)
 
 
Ações do Ministério da Cultura (MinC) para a área de livro, leitura e acessibilidade foram destacadas pelo ministro Roberto Freire e pelo diretor do Departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB), Cristian Brayner, durante evento promovido na tarde de quarta-feira (15) em comemoração ao Dia do Bibliotecário, no Edifício Sede, em Brasília.
 
Os participantes assistiram a um vídeo gravado com o ministro, no qual foram enfatizadas as principais políticas de sua gestão voltadas ao fortalecimento das bibliotecas, sobretudo do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP). "É fundamental reforçar o papel que as bibliotecas desempenham na redução do analfabetismo, na inclusão social, no desenvolvimento da pesquisa", destacou.
 
De acordo com Freire, o MinC está trabalhando para assegurar a reabertura da Biblioteca Demonstrativa Maria da Conceição Moreira Salles, em Brasília, fechada há quase três anos por motivos de segurança predial. "O projeto arquitetônico de modernização já está pronto e garantirá o funcionamento da biblioteca não por dois ou três anos, mas pelos próximos trinta anos", afirmou.
 
Cristian Brayner, por sua vez, disse que a tentativa de responsabilizar a máquina pública pelo não funcionamento das bibliotecas é um ato de desonestidade intelectual: "O senso comum tende a culpar o Estado por todas as mazelas. Acredito que esse discurso é feito por pessoas que desconhecem o que o MinC tem feito em prol das bibliotecas e da leitura."

Propostas

Entre as propostas do Ministério elencadas pelo diretor do DLLLB está a regionalização de feiras literárias, que será iniciada pela Região do Cariri, no Ceará, onde será desenvolvido um festival. "O MinC irá investir em pequenas feiras de livros que permitirão às crianças e aos jovens de milhares de municípios brasileiros o acesso ao mundo mágico dos livros e dos escritores", ressaltou.
 
Brayner anunciou, também, a criação de um grupo de trabalho que deverá propor a revisão da Lei do Depósito Legal – que determina o envio obrigatório de no mínimo um exemplar de todas as publicações produzidas em território nacional para a Biblioteca Nacional.
 
Durante o evento, realizado em parceria com a Oscip Mais Diferença, o Conselho Federal de Biblioteconomia e a Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, foi lançado ainda o manual Fortalecimento de Bibliotecas Acessíveis e Inclusivas. Destinado a bibliotecários, o material apresenta uma série de boas práticas de inclusão e acessibilidade a serem adotadas pelas instituições.
 
Medalha Rubens Borba de Moraes
 
Além do lançamento do manual, a tarde de comemorações incluiu também a outorga da Medalha Rubens Borba de Moraes, entregue pelo Conselho Regional de Biblioteconomia – 1ª Região (DF, GO, MT e MS) ao professor Emir José Suaiden, da Universidade de Brasília (UnB). Para Emir, que também é pesquisador do CNPQ e da Capes, a homenagem teve um significado muito especial. "O professor Rubens Borba é o patrono da Biblioteconomia e um dos homens mais cultos do País. Tive a honra de ser aluno dele. Ser agraciado com uma medalha que leva seu nome, por uma escolha feita pelos profissionais da minha área, é motivo de muita satisfação", declarou.
 
O professor Emir Suiden, que vem se dedicando à pesquisa de temas como acessibilidade e inclusão digital, elogiou a iniciativa do Ministério da Cultura e da Mais Diferenças em elaborar um material que aborde a questão com foco voltado exclusivamente para bibliotecários. "O manual, assim como os debates travados ao longo do evento, engrandecem as atividades desenvolvidas nas bibliotecas e, sobretudo, o trabalho dos profissionais de biblioteconomia", concluiu.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura