Cinemateca exibe mostra sobre 50 anos da Tropicália

 

 

 

01.12.2017
 
 
 
A Cinemateca Brasileira promove, até 17 de dezembro, a mostra Tropicália, ontem como hoje, em comemoração aos 50 anos da Tropicália. Objetivo é propor uma reflexão sobre a influência do movimento no cinema brasileiro e na identidade nacional. Todas as sessões são com entrada gratuita, com retirada do ingresso uma hora antes da exibição.
 
Entre as obras a serem exibidas estão filmes raramente vistos no cinema, como Feio, eu?, de Helena Ignez, Orgia ou o homem que deu cria, de João Silvério Trevisan, O mandarim, de Julio Bressane – com atuações de Gal Costa, Caetano Veloso e Gilberto Gil, Agrippina é Roma-Manhattan, de Hélio Oiticica, Viagem ao fim do mundo, de Fernando Coni Campos, e Em cada coração um punhal, de Sebastião de Souza, José Rubens Siqueira e João Batista de Andrade.
 
Ao abordar a estética da Tropicália, a Mostra dialoga com outras expressões artísticas. Entre os destaques, ainda estão os longas contemporâneos Martírio, de Vincent Carrelli, Tatiana Almeida e Ernesto de Carvalho, A seita, de André Antônio, e Sinfonia da necrópole, de Juliana Rojas, em programa duplo com um raro registro dos tropicalistas em Os mutantes.
 
Além do debate cultural e estético, a mostra Tropicália: ontem como hoje também pretende chamar a atenção para ações de preservação e difusão da cinematografia nacional, pensando na ponte entre o passado e o presente do cinema brasileiro.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura