Ibercultura divulga habilitados em concurso de vídeos

 
 
20.2.2017 - 15:46  

Acesso rápido

 
 
O Programa IberCultura Viva divulgou nesta terça-feira (20) a relação de candidatos habilitados e inabilitados para as próximas etapas do concurso de curtas-metragens Comunidades Afrodescendentes: Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento. O objetivo da convocatória é selecionar vídeos que promovam uma reflexão sobre as comunidades afrodescendentes e a busca do pleno exercício de seus direitos culturais e/ou valorizem sua contribuição para a constituição, a promoção e o desenvolvimento da cultura ibero-americana. Dez vídeos receberão prêmios de US$ 500.
 
Os candidatos com vídeos não habilitados têm até às 23h59 da próxima sexta-feira (23) para apresentar a documentação faltante. Os recursos devem ser enviados ao e-mail programa@iberculturaviva.org, com a indicação no assunto de "Recurso" e a identificação da pessoa participante e com cópia anexa do documento de identidade. A lista definitiva de vídeos habilitados será divulgada após o prazo e a análise dos recursos.
 
Dos 132 vídeos inscritos, foram habilitados 46. Deste total, 29 são do Brasil, 11 da Argentina, 2 do Chile, 1 da Costa Rica, 1 do Equador, 1 do Peru e 1 do México. A comissão organizadora decidiu habilitar a participação de dois vídeos produzidos por pessoas migrantes, procedentes de países fora do âmbito do concurso, mas com residência em países que formam parte do programa e com conteúdos ali realizados.
 
O programa
 
O IberCultura Viva é um dos programas de cooperação intergovernamental que fazem parte do Espaço Cultural Ibero-americano, coordenado pela Segib. Sua criação, proposta pelo Ministério da Cultura do Brasil com o apoio da Segib, foi aprovada em outubro de 2013, na XXIII Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e de Governo, realizada na Cidade do Panamá. O lançamento formal se deu em abril de 2014, durante o VI Congresso Ibero-Americano de Cultura, em San José, na Costa Rica.
 
Criado com o objetivo de fortalecer as políticas públicas de cultura de base comunitária da região, o programa teve como modelo o programa Cultura Viva, iniciado no Brasil em 2004 e transformado em política de Estado em 2014, com a sanção da Lei 13.018. Inspirados na experiência brasileira, países como Argentina, Peru, Costa Rica e El Salvador também desenvolveram seus programas de "Puntos de Cultura". Na Argentina, onde o programa existe desde 2011, a Rede Nacional de Puntos de Cultura conta com mais de 650 organizações socioculturais. 
 
Teresa Albuquerque
IberCultura Viva