Circuito #CulturaGeraFuturo capacita produtores e gestores culturais do Mato Grosso do Sul

 
 
11.5.2018 - 11:30  
A ministra interina Mariana Ribas apresentou dados que comprovam a força da cultura como eixo de promoção do desenvolvimento econômico do Brasil (Foto: Ronaldo Caldas/Ascom MinC)
 
 

Para ampliar o alcance da política cultural e dos instrumentos de fomento à cultura do Governo Federal, o Ministério da Cultura (MinC) realizou, nesta sexta-feira (11/5), em Campo Grande (MS), nova rodada do Circuito #CulturaGeraFuturo. O evento já passou por Macapá (AP), Fortaleza (CE), Brasília (DF), João Pessoa (PB), Rio Branco (AC), Belo Horizonte (MG), Maceió (AL), Florianópolis (SC), Curitiba (PR) e Natal (RN), reunindo um público total de mais de 1,5 mil pessoas. Depois de Campo Grande, as atividades seguem para Porto Velho (RO).

Na capital sul-mato-grossense, artistas, produtores culturais, gestores públicos e incentivadores participaram do evento, que atraiu público da capital e do interior. Entre os 102 participantes da sessão de abertura, muitos acordaram cedo para pegar a estrada. Foi o caso da equipe de 14 servidores da Secretaria de Cultura e Esportes do município de Chapadão do Sul, a 326 quilômetros da capital sul-mato-grossense. O grupo deixou a cidade às 4h30 da madrugada (5h30 pelo horário de Brasília) e saiu do micro-ônibus direto para a atividade, que começou às 9h30 (10h30 pelo horário de Brasília).

O evento foi aberto pela ministra da Cultura interina, Mariana Ribas, que apresentou dados que comprovam a força da cultura como eixo de promoção do desenvolvimento econômico do Brasil. Ela também detalhou as principais realizações do MinC e destacou o aumento dos investimentos previstos para este ano. 

"Em 2018, há R$ 1,43 bilhão de recursos disponíveis para incentivo a projetos via Lei Rouanet em todo o Brasil e cerca de R$ 1,5 bilhão para o fomento ao audiovisual, via Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e Lei do Audiovisual. Nosso objetivo é fazer com que esses recursos cheguem a um número cada vez maior de projetos, de diferentes regiões do país", ressaltou a ministra interina. "É importante destacar que, além do valor simbólico, a cultura tem valor econômico. E a relação entre o social e o econômico não pode ser dissociada", completou.

Participantes de Chapadão do Céu (ao lado da ministra interina Mariana Ribas) pegaram estrada de madrugada para a etapa do Circuito #CulturaGeraFuturo em Campo Grande (Foto: Ronaldo Caldas/Ascom MinC)
 

A diretora de Cultura de Chapadão do Sul, Joélita Martins, contou que o objetivo ao participar do evento era conhecer melhor as opções de fomento e investimento do MinC. "Viemos em busca de informações: tudo o que for para levar recursos para a cultura em nosso município, a gente está interessada", afirmou.

A coordenadora de Projetos da Secretaria de Cultura e Esportes de Chapadão do Sul, Janaína Apis, contou que acompanha de perto o portal do MinC na internet. Foi assim que ela e Joélita tomaram conhecimento do Circuito #CulturaGeraFuturo: "Estamos sempre antenadas. Mal foi divulgado e já fizemos as inscrições", contou.

Servidora da Fundação Municipal de Cultura do município de Maracaju, a cerca de 150 quilômetros de Campo Grande, Nádima Nascimento compareceu ao evento com o mesmo intuito: saber mais sobre os editais e as linhas de fomento do MinC: "Temos vários artistas e, às vezes, falta um pontapé inicial. Não conhecemos tudo o que está disponível."

O ator e produtor cultural David Cardoso Júnior, do humorístico A praça é nossa (SBT), também estava na plateia. Morador em Campo Grande, acaba de ser contratado pela prefeitura para dar aulas de teatro, realizar ações de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes e divulgar hábitos alimentares saudáveis em escolas da rede municipal de educação e em Centros de Referência de Assistência Social (Cras). Ele elogiou o Circuito: "Precisamos de iniciativas como esta", afirmou.

O ator, que também atuou no humorístico Zorra Total (Globo), sugeriu que as políticas de incentivo à cultura não se limitem à etapa da produção. Para Cardoso Júnior, é essencial apoiar a exibição de peças de teatro, filmes e demais espetáculos realizados com a ajuda do incentivo, de maneira que as produções culturais cheguem a um número maior de pessoas.

Também presente ao evento, o secretário de Cultura e Cidadania de Mato Grosso do Sul, Athayde Nery, lamentou a baixa captação de recursos via Lei Rouanet no estado: "Os empresários são absolutamente avessos. Desestimula. A cultura é um grande investimento no ser humano", destacou.

A ministra interina Mariana Ribas defendeu a mobilização dos três níveis de governo (federal, estadual e municipal) e da sociedade para estimular empresários a utilizar mecanismos de incentivo fiscal no próprio estado. "Quem faz a escolha dos projetos, no final das contas, são essas empresas", disse Mariana, destacando a importância do Circuito para capacitar produtores culturais e artistas. Segundo ela, o Circuito é "só o começo": "Este tem que ser um trabalho permanente".

O Circuito #CulturaGeraFuturo será realizado até julho. Equipes do Ministério da Cultura (MinC) estão visitando as 27 capitais brasileiras para levar orientações sobre a Lei Rouanet, a Lei do Audiovisual, o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e outras oportunidades. Haverá também um módulo voltado a patrocinadores, sobre as formas e vantagens de apoiar projetos culturais. Os encontros têm formato de seminário, com duração prevista de um dia em cada capital.

Investimentos em Mato Grosso do Sul
 
De todas as Unidades da Federação, o Mato Grosso do Sul ocupou a 18ª posição no ranking em valores captados para projetos culturais por meio da Lei Rouanet em 2017 (R$ 2,148 milhões, para sete projetos). Na região Centro-Oeste, ficou em 4º (e último lugar).
 
Até agora, em 2018, um projeto cultural de Mato Grosso do Sul realizou captação por meio da Lei Rouanet, no valor total de R$ 600 mil. Para o mesmo período, o MinC autorizou seis novos projetos do estado a terem acesso aos mecanismos da Lei Rouanet, com teto de R$ 6,7 milhões. 
 
Já há dois Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs) inaugurados no estado: um em Corumbá e outro em Dourados. Juntos, receberam R$ 4,04 milhões do MinC. Cada um deles conta com área de 3 mil m². O CEU de Ponta Porã está com obras em andamento e o MinC Já destinou 90% (R$ 1,8 milhão) do repasse previsto. Dois CEUs estão em obras em Campo Grande. Juntas, as cinco unidades vão somar mais de R$ 13 milhões de investimentos do Ministério da Cultura.
 
Outro ponto importante é o Avançar Cidades Históricas, que tem previsão de investimento de R$ 20,5 milhões em dez ações em Corumbá. Já foram finalizadas as obras de requalificação da Praça da Independência (R$2,06 milhões) e da Praça da República (R$1,05 milhão). A requalificação urbanística na ligação da parte alta e parte baixa da cidade, com implantação de passarela, está em andamento. 
 
Ainda estão em fase de preparação as seguintes intervenções: restauração do prédio da Antiga Prefeitura, restauração do prédio do antigo Hotel Internacional, restauração do Antigo Presídio - Casa do Artesão, restauração do casarão da Comissão Mista, restauração do casarão do ILA - Instituto Luiz de Albuquerque, restauração da Igreja Nossa Senhora da Candelária, restauração do Antigo Mercadão e requalificação da Praça Uruguai.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura