Ritmos e expressões culturais do Norte do País marcam festa de entrega do prêmio

 
 
10.11.2018 - 15:15
 
Cerimônia de entrega do Prêmio Rodrigo Mello Franco de Andrade. Fotos (capa e interna): Déborah Gouthier
 

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) promoveu nesta sexta-feira (09), no Theatro da Paz, em Belém, a cerimônia de entrega do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, que chega este ano à 31ª edição. Foram premiados oito projetos que se destacaram por sua contribuição para a promoção, valorização, proteção e gestão do Patrimônio Cultural Brasileiro. A festa marcou também o encerramento de uma série de atividades desenvolvidas pelo Iphan, instituição vinculada ao Ministério da Cultura, voltadas para o Patrimônio Cultura da Região Norte.

Patrimônio Material

Entre as oito ações premiadas na noite de ontem está o Projeto OCA - Origens, Cultura e Ambiente (PA), desenvolvida pelo Museu Paraense Emílio Goeldi (PA), que uniu pesquisadores e comunidades no município de Gurupá, localizado na área de confluência entre os rios Amazonas e Xingu, no Pará. A interação entre a população e os pesquisadores teve início em 2014, durante o processo de escavação arqueológica no Forte de Gurupá e no sítio arqueológico Carrazedo, localizado dentro de território quilombola. Desde então o Projeto OCA realiza ações envolvendo patrimônio arqueológico. Juntos, comunidade, pesquisadores, estudantes e instituições parceiras, passaram a vivenciar o Patrimônio Cultural.
 
Vem do Centro Histórico de Belém a proposta do projeto Circular Campina Cidade Velha, um dos premiados do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade. Com cinco edições anuais já realizadas, o projeto oferece ações que unem arte, gastronomia, meio-ambiente e educação patrimonial. O objetivo é estimular o processo de revalorização do local, com a participação de parceiros institucionais e produtores independentes ali instalados que, de forma programada, abrem suas portas oferecendo atividades culturais.  
 
O projeto Vila Maria Zélia – 100 anos, da Associação Cultural Vila Maria Zélia, de São Paulo, foi desenvolvido para celebrar, em 2017, os 100 anos da fundação dessa vila operária. Maria Zélia é um conjunto de edificações tombado em 1992 pelos conselhos de preservação do patrimônio histórico do município e do estado de São Paulo. No ano passado, durante as comemorações do centenário da vila, foram realizadas atividades como debates, exposições para apresentar a história e atual situação da vila enquanto patrimônio histórico da capital. As 210 famílias da pequena Vila transformaram suas memórias em um Centro Cultural, em livro, filme e exposição.
 
A recuperação de um antigo engenho e o esforços para mantê-lo preservado foram motivaram o projeto Restauração e Revitalização da Fazenda Engenho D'Água. Localizado no município de São Francisco do Conde (BA), a fazenda Engenho D'água, cuja história remete ao início do século 17, é referência para a área do Recôncavo da Bahia de Todos os Santos por ser um dos poucos engenhos preservados região. Além de hospedar turistas, a fazenda, que utiliza o patrimônio para viabilizar sua conservação, promove eventos, mantém atividades como pecuária e cultivo do cacau. 

Patrimônio Imaterial  

Ação ganhadora do Prêmio, a Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco, desenvolvida a partir da necessidade de elaboração do Plano Estadual de Cultura, abre espaços para debates interdisciplinares entre diversas instituições com o objetivo de compreender, difundir, valorizar, reconhecer, preservar e salvaguardar o patrimônio cultural de Pernambuco. Os debates, seminários reúnem gestores, estudantes, pesquisadores, população e profissionais que atuam na área em uma programação divida nos eixos brincar, experimentar, interpretar e pensar o patrimônio.
 
Letras que Flutuam é o nome do projeto que destaca a tradição familiar dos chamados abridores de letra, artistas que escrevem nomes nos barcos que navegam pelos rios do Pará. O projeto se desenvolveu nas regiões de Santarém, Marajó, Foz do Tocantins e Belém, Pará. A partir desses locais, se estendeu para municípios próximos, realizando o inventario e catalogação da arte e dos artistas. A ação abordou as prováveis origens, a história dessa arte, as influências que recebeu, a relação com o modo de vida ribeirinho e os desdobramentos e transformações a partir do desenvolvimento de novas técnicas e ferramentas de trabalho. Com um processo de construção conjunto com as comunidades, em 2017, o documentário Marajó das Letras: os abridores de letras da Amazônia Marajoara foi apresentado como segunda etapa da pesquisa.
 
Outro premiado, II Caravana do Museu Indígena Tremembé leva às diversas aldeias de 14 etnias do Ceará, atividades que contribuem para a preservação da memória, do patrimônio imaterial e para a difusão da cultura dos povos indígenas do estado. A primeira caravana foi realizada em 2016 e a segunda edição da caravana em 2017, com o apoio da Secretaria da Cultura do Ceará, e percorrendo 21 municípios. As atividades incluíram palestras, apresentações culturais e narrativas de memória, religiosidade e saberes medicinais, divididas em oficinas com as temáticas Políticas Culturais, Histórias dos Saberes dos Povos Indígenas e Histórias dos Troncos Velhos (tradições indígenas).
 
O Sonário do Sertão também foi uma das ações ganhadoras do prêmio. A proposta do projeto é fazer um registro sonoro da cultura sertaneja, no qual o acervo dos sons das comunidades acaba retratando seu Patrimônio Cultural. O inventário preserva o patrimônio imaterial do sertão de Pernambuco e Bahia. Iniciado em 2015, o Sonário do Sertão desenvoleu oficinas de capacitação técnica para os registros de áudio, levantamento do que seria registrado, debates e formação sobre a cultura do ouvir e a prática da escuta. O Sonário conta com registro de sons do cotidiano do semiárido brasileiro, como canto dos pássaros, som de carroças em movimento, do entardecer, de galinheiro, assim como grupos musicais, cantigas, orações, os cantos de trabalho e melodias assoviadas durante a plantação da mandioca e festas religiosas. As histórias narradas pelas anciãs e anciãos foram também registradas e, nessas conversas, os cantos e diversos sons participam no meio das narrativas, onde o contar e o cantar tornam-se uma coisa só.
 
Menção honrosa
 
Receberam o prêmio na categoria Menção Honrosa os projetos Conjunto da obra do Prodetur Nacional (PE), Conservação, Restauro e Zeladoria do Château d'Eau (RS), Preservação da Imagem e Memória da Amazônia por John Adrian Cowell (GO), Assis Horta: Retratos (MG), "Saber Fazer": Erva-mate do Planalto Norte Catarinense (SC), Projeto Gema (RS), O Museu no Balanço das Águas (AL) e Saberes e Conhecimentos do povo Apinajé (TO).

Sobre o prêmio

Criado em 1987 em reconhecimento a ações de proteção, preservação e divulgação do patrimônio cultural brasileiro. Foi assim denominado em homenagem ao primeiro dirigente da instituição. A escolha de Belém, capital paraense, para sediar a 31ª edição, se deve ao fato de o Iphan, em 2018, dedicar parte de suas atividades à promoção do Patrimônio Cultural do Norte brasileiro. A festa contou com apresentações culturais como o carimbó, bem registrado pelo Iphan como Patrimônio Cultural do Brasil, além de outras expressões tradicionais do Norte, como o Boi-Bumbá de Parintins. 
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura