Ao vivo: acompanhe a plenária da 284ª reunião da CNIC

 

 

06.12.2018 - 16:15

A sessão plenária da 284ª Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) acontece na tarde desta quinta-feira (6), em Brasília. O evento tem transmissão em tempo real da reunião por meio do Youtube, o que garante a transparência das discussões.
Até o momento, estão em pauta 201 propostas que pleiteiam incentivo fiscal via Lei Rouanet. Os projetos pertencem às seguintes áreas: Artes cênicas (78), Artes visuais (20), Audiovisual (11), Humanidades (19), Museus e memória (5), Música (46), e Patrimônio cultural (22).
 
Caso, até o fim da sessão de hoje, a CNIC não consiga avaliar todos os projetos inscritos até o dia 30 de novembro de 2018, a comissão poderá realizar reuniões virtuais para que todas as propostas inscritas nesse ano sejam avaliadas até o fim de dezembro.
 
Na manhã desta quinta-feira, também foi realizada a solenidade de encerramento do biênio 2017/2018 da CNIC. Os representantes da comissão puderam expor suas experiências e conclusões sobre a atuação da comissão durante os últimos dois anos, além de manifestar suas expectativas para o próximo biênio. Cada representante recebeu uma placa representativa de sua participação na comissão.

A CNIC

A Comissão Nacional de Incentivo à Cultura é um colegiado de assessoramento formado por representantes dos setores artísticos, culturais e empresariais, em paridade da sociedade civil e do poder público. Os membros da sociedade civil são provenientes das cinco regiões brasileiras, representando as áreas das artes cênicas, do audiovisual, da música, das artes visuais, do patrimônio cultural, de humanidades e do empresariado nacional.
 
As reuniões da CNIC ocorrem mensalmente. Cabe à comissão dar parecer favorável ou não aos projetos apresentados ao Ministério da Cultura (MinC). As decisões precisam ser referendadas pelo secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do MinC, José Paulo Soares Martins, que preside a CNIC. Depois, o projeto está apto a captar recursos por meio de incentivo fiscal. A partir daí, o proponente está autorizado a procurar junto a empresas ou pessoas físicas o apoio à iniciativa, investimento que poderá ser posteriormente deduzido, totalmente ou em parte, do imposto de renda devido.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura