Notícias em destaque

« Voltar

Fundação Casa de Rui Barbosa lança Vocabulário do Português Medieval

Marta Suplicy - na foto ao lado de Manolo Florentino - destacou a importância da língua para a identidade cultural de um país durante o lançamento da versão impressa do Vocabulário do Português Medieval (Fotos de Gustavo Serrate)
10.10.2014
 
A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) lançou, em parceria com o Ministério da Cultura (MinC), na manhã desta sexta-feira (10/10), no Rio de Janeiro (RJ), o Vocabulário do Português Medieval. Com dois volumes, a publicação traz verbetes do português atual para o medieval e vice-versa. Os mil exemplares produzidos serão distribuídos em bibliotecas e universidades de Brasil, Portugal, Espanha e sul da França. Países de importância no âmbito da pesquisa, como os Estados Unidos e a Alemanha, também serão agraciados com edições para suas principais bibliotecas.
 
A ministra da Cultura, Marta Suplicy, presente na solenidade, falou sobre a importância do Vocabulário, que levou 35 anos para ficar pronto. "É uma das publicações mais relevantes deste século, no sentido de que uma nação se faz com a sua identidade cultural e, talvez, o mais importante para isso seja a língua, o domínio da língua e a origem da língua", afirmou. "Nós não tínhamos nada publicado com essa densidade. Desde 1979, a Fundação Casa de Rui Barbosa faz essa pesquisa, que passou por vários presidentes, sempre com acréscimos. Para nós e para o ministério, é uma alegria imensa poder dar esse presente para todos os brasileiros e todos que apreciam a língua. É uma obra feita com muito cuidado, ótima impressão e é uma obra carinhosa", completou.
 
Na solenidade também estava presente o presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa, Manolo Florentino, que considerou uma honra participar de um momento que encerra 35 anos de pesquisas: "A obra vai para o próximo e último passo desse livro que levou tanto tempo para ficar pronto. Vai para a web e vai se tornar uma espécie de obra aberta".
 
Além do tempo para ficar pronta, colaboradores enfrentaram outros desafios, como a integridade de reprodução dos caracteres originais. "Dado o aspecto peculiar da grafia do português medieval, desde o início do projeto, a grande preocupação do seu idealizador e coordenador, Antônio Geraldo da Cunha, seria como garantir a integridade de reprodução dos caracteres originais", explica a pesquisadora do Setor de Filologia da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), Ivette Maria Savelli. "Precisávamos ter a certeza de que a versão impressa seria bem executada em todos os aspectos: atualização da estrutura e revisão do conteúdo do banco de dados, projeto gráfico, editoração e impressão", completa.
 
A pesquisadora, que participou de todas as fases da elaboração do Vocabulário, falou ainda sobre a importância da iniciativa: "Embora estejamos na era das mídias digitais - e a Fundação Casa de Rui Barbosa já havia lançado algumas versões do Vocabulário em CD-ROM -, o livro tem grande importância cultural e social pelo pioneirismo da obra, tendo em vista todos os países de língua portuguesa".
 
Durante a solenidade, houve apresentação da Orquestra Barroca da UniRio (OBU), que interpretou composições de Antonio Vivaldi e de Giovanni Batista Pergolesi. "Esta é a primeira apresentação da Orquestra Barroca da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) na Casa de Rui Barbosa, que nos acolheu com competência e carinho. Há vários meses, temos ensaiado no auditório da CRB. Encontrar um local onde somos tão bem-vindos, que ainda por cima tem bela acústica, tranquilidade, silêncio e um jardim deslumbrante, nos faz bem à alma e ao raciocínio", observou a coordenadora da Orquestra Barroca da UniRio, professora Laura Ronai.

História

O Vocabulário levou 35 anos para ficar pronto. O projeto teve início em janeiro de 1979, no Setor de Filologia da Casa de Rui Barbosa, por iniciativa do lexicógrafo Antônio Geraldo da Cunha e um grupo de colaboradores.
 
Em 1984, a FCRB publicou um fascículo-amostra para buscar parcerias e, assim, viabilizar a publicação. Como os fundos arrecadados foram insuficientes, adaptou-se a obra como Índice do Vocabulário do Português Medieval, publicado entre 1986 e 1994.
 
Em 1995, o então presidente da Fundação, Mario Brockmann Machado, e o diretor de Pesquisa, José Almino de Alencar, retomaram o projeto com a informatização do material em fichas de papelão datilografadas, o que permitiu a sua utilização como fonte de pesquisa. O Vocabulário do Português Medieval ganhou, assim, visibilidade na comunidade acadêmica e científica.
 
Já em 1999, o projeto recebeu apoio da Fundação Vitae para a digitação e revisão das fichas. No ano seguinte, foi lançado um CD-ROM em versão preliminar, com o patrocínio das Organizações Globo. Em 2007, uma nova versão de CD-ROM foi disponibilizada. Em 2012, a pesquisadora Flora Süssekind, chefe do Setor de Filologia da FCRB, sugeriu a publicação impressa dos dois volumes, aprovada pelo presidente da instituição na época, Wanderley Guilherme dos Santos. Ao assumir a presidência da Fundação Casa de Rui Barbosa, em fevereiro de 2013, o historiador Manolo Florentino completou projeto, viabilizando, finalmente, a versão impressa.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura