O dia a dia da Cultura

Agenda Século XXI

O século XXI tem modificado a forma das pessoas produzirem e consumirem cultura. A revolução nos meios de comunicação e nas tecnologias digitais faz bens e serviços culturais circularem sem suporte físico, o que transforma o processo criativo, amplia as condições de acesso, reorganiza a economia do setor e gera novos desafios para o Estado na regulação e na promoção de políticas públicas. Desde 2003, o governo federal tem lidado com esses desafios na sua agenda de Política Cultural. 
 
As modificações na Economia da Cultura exigem do Poder Público capacidade de mapear as diferentes cadeias produtivas da cultura, identificar novos gargalos e estimular a entrada de novos atores. 
 
Esse novo cenário torna obrigatória a atualização da legislação de Direitos Autorais. Só assim será possível garantir a justa remuneração aos criadores e a ampliação do acesso pelos usuários. 
 
É preciso também garantir que a produção cultural brasileira esteja acessível a toda a população, por meio da organização e promoção de Acervos Digitais.
 
A ampliação da Biblioteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional e a valorização do patrimônio cultural que está sob a guarda do sistema de museus fazem parte dessa nova forma de promover o acesso à cultura.
 
Novas sociabilidades se organizam nas redes e iniciativas como os Pontos de Cultura podem se articular na Rede Cultura Viva, assim como blogs sobre cultura digital se agregam na plataforma CulturaDigital.br.
 
A produção audiovisual se tornou mais acessível e a área cultural ganha um suporte com a instalação de Núcleos de Produção Digital, espaços gratuitos com estrutura humana, física e tecnológica voltadas para a produção e difusão do conteúdo audiovisual brasileiro.
 
Se a Internet é o espaço de circulação desse conteúdo, é fundamental que ela funcione como espaço público, com garantia de direitos fundamentais, como liberdade de expressão e privacidade, e com respeito aos direitos culturais de todos.
 
O Ministério da Cultura também está ampliando sua política de participação, incorporando novas mídias, linguagens e tecnologias e organizando um Gabinete Digital, que vai funcionar como mais uma interface digital entre o governo federal e a sociedade brasileira.
 
(Atualizado em 12.08.2015 - 19:23)