Notícias

« Voltar

Conferência discute exportação da música brasileira

Regina Xeyla / ASN - Agência Sebrae de Notícias
Brasília - Fazer com que a música brasileira chegue cada vez mais longe, em outros países e em outros continentes, foi o centro do debate realizado, neste sábado (29), na conferência ‘Exportação da Música Brasileira - Projeto Música do Brasil', a primeira de uma série que está sendo promovida dentro da 2ª Feira da Música Independente Internacional de Brasília (FMI 2006), que segue até o dia 1º de maio.

Os conferencistas Michel Nicolau, coordenador do Projeto Música do Brasil, Mr. Dirk Schade, presidente da Popkomm, e Sérgio Sá Leitão, secretário de Políticas Culturais do Ministério da Cultura, apresentaram as ações já realizadas pelo projeto e as previstas para o biênio 2006-2007. Também foi debatida a participação do Brasil na Popkomm, uma das maiores feiras de música da Europa, que acontece entre 19 e 22 de setembro, em Berlim, na Alemanha, com shows, rodadas de negócios e conferências.

Sérgio Sá falou sobre como e quando o Ministério da Cultura passou a integrar o time de instituições que apóiam o ‘Projeto Música do Brasil'. 'Desde 2003, quando Gilberto Gil assumiu o ministério, percebeu-se que o projeto não era apenas mais um projeto, mas sim, o projeto estratégico para o setor da música. Com a integração do MinC e do Sebrae Nacional aos outros parceiros, o projeto ganhou em estrutura, recursos, entre outros aspectos', disse.

O Projeto Música do Brasil é fruto de convênio entre entidades do setor - ABGI (Associação Brasileira de Gravadoras Independentes), ABMI (Associação Brasileira da Música Independente) e BM&A (Brasil Música e Artes) -, Apex-Brasil, Ministério da Cultura e Sebrae. Começou a operar em junho de 2005 e tem como objetivo aumentar a atração de divisas com o incentivo à produção de música independente brasileira e seu consumo no exterior.

Para Sérgio Sá, há um imenso potencial de consumo da música brasileira lá fora, e isso se deve ao esforço individual dos artistas independentes e à qualidade da música. 'Precisamos fazer com que as pessoas no exterior não só ouçam e conheçam a música brasileira, mas que adquiram o hábito de consumi-la também', afirmou.

O secretário disse também que o governo já percebeu que a cultura gera impacto positivo na economia do País. Mas que é necessário criar ainda mais políticas públicas que sejam capazes de ajudar o setor, como, por exemplo, elaborar políticas para aumentar o acesso da população brasileira a bens culturais.

Para alemão ouvir

Em seguida o presidente da Popkomm, Mr. Dirk Schade, explicou aos participantes como os alemães vêem a música brasileira, e revelou um dado interessante. De acordo com ele, as bandas jovens da Alemanha ouvem a música brasileira como referência. E mais: em qualquer loja de música naquele país, existe um departamento específico para a música do Brasil.

Ele informou que o Brasil é o primeiro país 'não-europeu' a ser tema da feira de música. O País verde-amarelo terá um estande de 240 metros quadrados dividido em duas áreas: um espaço para reunião de negócios entre artistas e produtores; e uma área para exposição de cosméticos, moda, vídeo, instrumentos musicais, e que terá também participação da Embratur.

Além disso, a Popkomm abrirá espaço para 17 shows de artistas brasileiros. 'Quase todas as bandas ou artistas individuais que participaram da Popkomm tiveram algum contato positivo', revela Dirk.

Presente e futuro

Lançado na FMI 2005, o Projeto Música do Brasil completa um ano. O seu coordenador, Michel Nicolau, comemorou detalhando as ações já realizadas, como a criação da marca Música do Brasil e o lançamento de uma forte ferramenta de divulgação e valorização do setor que é o site Música do Brasil (www.musicadobrasil.org.br/site). A página já está no ar, embora esteja faltando alguns ajustes finais, segundo ele. Nesse endereço eletrônico, o músico poderá encontrar, por exemplo: estudos de mercado de outros países, traduzidos e comentados; banco de dados contendo informações, como o que clientes de outros países estão procurando; o Manual do Exportador, que brevemente estará disponível no site, entre outras.

Uma outra novidade do projeto, que começará a ser desenvolvida, é o Projeto Imagem, que tem por objetivo trazer a mídia estrangeira para conhecer a música brasileira aqui, e divulgar em seu país de origem. Já neste domingo (30), três jornalistas, um argentino e dois alemães, acompanhados por representantes da Apex-Brasil, seguem para o Ceará, Pernambuco e Rio de Janeiro.

Na palestra, Michel anunciou ainda as ações do projeto para o próximo biênio. Entre elas estão previstas capacitação e informação - será desenvolvida uma pesquisa sobre o setor, com indicadores como volume de exportação, dificuldades, geração de empregos, meios de exportação mais comuns, entre outros. 'A medida é para mostrar ao governo como o nosso mercado é forte', disse. Também serão realizados 22 seminários, por todas as regiões brasileiras, para mostrar como funciona a exportação e a importância de o setor trabalhar de forma organizada.

Além disso, será atualizado o Manual do Exportador, haverá contratação de um serviço de consultoria estrangeira, criação de um dicionário para a música brasileira, instalação de um escritório de comercialização na Europa, participação de profissionais do setor em feiras internacionais, como a Popkomm 2006 e 2007, a Ônix, na Espanha, e a Midem, na França, e a montagem de uma mostra internacional da música do Brasil, no Brasil.

Os participantes da conferência ‘Exportação da Música Brasileira - Projeto Música do Brasil'puderam dar sugestões, fazer críticas, tirar dúvidas sobre o projeto e obter informações sobre participações em feiras.

Serviços:
Feira da Música Independente - http://www.fmi2006.com.br
Sebrae no Distrito Federal - (61) 3362-1600
Agência Sebrae de Notícias - (61) 3348-7494