Notícias

« Voltar

Ministros da Cultura do Brasil e da Argentina assinam acordo para alavancar economia criativa dos dois países

 

 

 

05.12.2017 - 13:25

 
O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, está em Buenos Aires para duas agendas voltadas a reforçar o papel das atividades culturais como impulsionadoras do desenvolvimento econômico global. Na capital argentina, Sá Leitão assina, nesta terça-feira (5), um memorando de entendimento com o ministro da Cultura argentino, Pablo Avelluto, em que se comprometem a realizar uma série de ações para alavancar os setores da economia criativa de ambos os países.
Na quarta-feira (6), Sá Leitão será o único ministro da Cultura – ao lado de formadores de opinião do segmento empresarial, do setor público, do mundo acadêmico e do terceiro setor da Europa e da América Latina – a palestrar no evento "La Convención Azul", fórum voltado a debater os desafios da economia digital e do comércio para impulsionar o desenvolvimento econômico global.
 
Sá Leitão e Avelluto vão assinar o memorando para criação de uma plataforma sobre Economia Criativa. O memorando abrange a criação, a produção e a distribuição de bens e serviços nas áreas de artes cênicas, audiovisual, moda, artesanato, editorial, música, arquitetura, artes visuais e gastronomia. A partir da assinatura, os ministérios da Cultura do Brasil e da Argentina podem fazer rodadas de negócios, fóruns, conferências e workshops setoriais, desfiles, apresentações ao vivo e reuniões institucionais.
 
A palestra no Fórum "Convención Azul" ocorre na quarta, às 11h30 (hora local). Sá Leitão irá se juntar a nomes como José Maria Aznar, ex-primeiro-ministro da Espanha; Hernan Lombardi, ministro da Mídia Pública e Conteúdo da Argentina; Daniel Hannan, presidente do Instituto de Comércio Livre (Reino Unido); Jeff McElfresh, executivo da DirecTV na América Latina; e Jorge Quiroga, ex-presidente da Bolívia.

Direitos intelectuais

O impacto dos avanços digitais na economia da cultura está entre as principais agendas do Ministério da Cultura (MinC). Na tarde desta segunda-feira, o MinC, por meio do Departamento de Direitos Intelectuais (DDI), realizou um seminário para debater os direitos intelectuais diante das inovações do ambiente digital.
 
Participaram do debate especialistas no tema como o diretor-presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto- BR (NIC.br), Demi Getschko, o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Manoel Pereira dos Santos, a secretária-geral adjunta do Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CAM-CCBC), Caroline Costa, os advogados Marcelo Goyanes e Vanisa Santiago, além de representantes do governo federal.
 
Coordenador da Agenda Digital do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Daniel Brandão Cavalcanti fez um balanço do trabalho desenvolvido no setor, visando a transformação digital do governo e, consequentemente, a transformação da economia. "O governo e a sociedade têm que se preparar para maximizar essa transformação, essa oportunidade", disse. Segundo ele, há pesquisas que mostram que 60% da população brasileira com mais de 10 anos usam internet.
 
O secretário de Audiovisual do MinC, João Batista Silva, disse que a economia da cultura é prioridade na pauta de ação do ministério e que o ambiente digital é estratégico para o segmento criativo gerar emprego e renda. "O segmento cultural já vem crescendo a índices superiores aos de indústrias tradicionais e tem grande potencial, especialmente para geração de emprego e renda", afirmou.
 
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura