Notícias

« Voltar

Palmares Itinerante chega à cidade do Rio de Janeiro

 
 
19.4.2017 - 11:51  
Presidente da Palmares, Erivaldo Oliveira, destacou importância de a Fundação Palmares se deslocar pelo Brasil inteiro para conhecer de perto as principais demandas dos quilombolas e de todos os afro-brasileiros (Foto: Carla Matos) 
 
 
A Fundação Cultural Palmares (FCP) não pode ficar estática em sua sede e precisa se deslocar pelo Brasil inteiro para conhecer de perto as principais demandas dos quilombolas e de todos os afro-brasileiros. Foi o que enfatizou o presidente da instituição, Erivaldo Oliveira, no primeiro dia da Palmares Itinerante na cidade do Rio de Janeiro. O evento ocorre nesta terça-feira (18/4) e quarta-feira (19/4) no Museu do Amanhã, na Zona Portuária carioca. 
 
Além de Erivaldo Oliveira, participaram do encontro a secretária de Cultura municipal do Rio, Nilcemar Nogueira, e representantes de órgãos como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro (Comdedine) e Coordenadoria Especial de Promoção das Políticas de Igualdade Racial (Ceppir), ligado à Prefeitura do Rio. 
 
Na abertura do evento, o presidente Erivaldo Oliveira destacou que a atual gestão da Fundação Palmares tem se empenhado pela integração das ações do governo federal, de estados e municípios voltadas à população negra. Na visão dele, as políticas públicas só se tornam eficientes se o gestor vai às comunidades para conhecer quais são as suas necessidades. "Certificar essas comunidades é fundamental, mas depois não se pode abandoná-las. Temos de estimular seus potenciais. Cada lugar tem a sua vocação, seja cultura ou agronegócio, e este perfil irá influenciar o seu desenvolvimento", ponderou Erivaldo.
 
O presidente da FCP assinalou que é fundamental resgatar o orgulho e a autoestima dos afro-brasileiros, abalados pelo preconceito e a discriminação. Para isso, Erivaldo Oliveira frisou a importância de se trabalhar a cultura negra nas escolas. "Você anda por alguns lugares do Brasil e vê que muitas pessoas têm vergonha de usar as roupas das religiões de matriz afro. É preciso que os jovens sintam orgulho e frequentem os terreiros sem medo. Devemos começar desde cedo a trabalhar isso com as crianças", afirmou. 
 
Com o objetivo de difundir a cultura afro nas escolas, a Fundação Cultural Palmares produziu o kit educativo O que você sabe sobre a África. O material será distribuído, inicialmente, em instituições de ensino de 17 municípios das cinco regiões brasileiras. O projeto piloto tem lançamento nos dias 27 e 28 de abril no município de União dos Palmares, em Alagoas. 
 
Museu
 
Durante o evento, Erivaldo Oliveira e a secretária municipal de Cultura do Rio de Janeiro, Nilcemar Nogueira, assinaram um protocolo de intenções para estabelecer ações conjuntas para realização de estudos e projetos para a criação do espaço que está sendo chamado provisoriamente de Museu da Escravidão e da Liberdade (MEL). O ambiente deve funcionar na região portuária da capital e dará espaço à cultura e história negra. "A maioria dos museus trazem o ponto de vista do colonizador. Precisamos de um espaço que aborde a nossa contribuição", comentou Nilcemar. 
 
Ainda no Palmares Itinerante, Erivaldo Oliveira entregou certificação que reconhece as comunidades quilombolas de Dona Belina, na zona oeste carioca, e do Grotão, em Niterói. Emocionados, os representantes desses locais reconheceram o documento como essencial para consolidar suas trajetórias. 
 
Os participantes da mesa também ouviram reivindicações e comentários do público composto por cerca de 300 pessoas, entre representantes de mulheres negras, movimento negro, artistas, produtores culturais, povos de terreiro e capoeiristas. Houve ainda apresentações artísticas, como a Companhia de Dança Ás de Ouro, que mostrou o espetáculo As Facetas do Malandro. 
 
Marcelo Araújo
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura